Estudos Blíbicos

Abraão

Todos sabemos que existem consequências para as ações que praticamos. O que fazemos pode desencadear uma série de acontecimentos que talvez perdurem até muito tempo após a nossa morte. Infelizmente, quando tomamos uma decisão, a maioria de nós pensa somente nas consequências imediatas. Este engano é cometido com frequência  pelo fato de termos um período de vida relativamente curto. Abraão teve uma escolha a fazer. Sua decisão consistia em partir com a família e os pertences para terras desconhecidas ou permanecer exatamente onde estava. Ele precisava decidir entre a segurança do que possuía e a incerteza de viajar sob a direção de Deus. Tudo com que ele contava para prosseguir era a promessa de que Deus iria guiá-lo e abençoá-lo. Abraão dificilmente poderia imaginar quanto o futuro dependia de sua decisão, mas sua obediência afetou a história do mundo inteiro. A resolução de obedecer e seguir a Deus resultou no desenvolvimento da nação que seria usada por Deus ao visitar Ele próprio a terra. Quando Jesus Cristo veio ao mundo, a promessa de Deus foi cumprida; através de Abraão, o mundo inteiro foi abençoado.

Você provavelmente não sabe os efeitos em longo prazo da maioria das decisões que faz. Mas, o fato de que haverá consequências no futuro não deverá fazê-lo pensar com cuidado e buscar a direção de Deus nas escolhas de hoje?

Pontos fortes e êxitos:

  • Sua fé agradou a Deus.
  • Tornou-se o fundador da nação judaica.
  • Foi respeitado pelos outros e corajoso ao defender a família a qualquer preço.
  • Foi um pai cuidadoso não só apenas para a sua família, mas praticou a hospitalidade para com outras pessoas.
  • Foi um fazendeiro bem-sucedido.
  • Tinha o costume de evitar conflitos, mas, quando estes eram inevitáveis, permitia que seu oponente estabelecesse as regras para a disputa.
Fraquezas e erros:

  • Quando sob pressão, ele distorcia a verdade.
Lições de vida:

  • Deus requer dependência, confiança e fé nEle, não fé em nossa habilidade de agradá-lo.
  • Desde o princípio, o plano de Deus tem sido permitir que todas as pessoas o conheçam.
Informações essenciais:

  • Locais: Nascido em Ur dos Caldeus, passou a maior parte da vida na terra de Canaã.
  • Ocupação: Rico e bem-sucedido criador de gado.
  • Familiares: Irmãos – Naor e Harã; pai – Tera; esposa – Sara; sobrinho – Ló; filhos – Ismael e Isaque.
  • Contemporâneos: Abimeleque e Melquisedeque.
Versículo-chave:

“E creu ele no SENHOR, e foi-lhe imputado isto por justiça” (Gn 15.6).

A história de Abraão pode ser encontrada em Gênesis 11-25. Ele é também mencionado em Êxodo 2.24; Mateus 1.1; Lucas 3.24; Atos 7.28; Romanos 4; Gálatas 3; Hebreus 2, 6, 7, 11.






Isaque
Um nome pode demonstrar grande autoridade. Destaca a pessoa. Traz lembranças a tona. O som de um nome chama a atenção em qualquer lugar.

Muitos nomes bíblicos costumavam, além disso, descrever fatos importantes sobre o passado de alguém, bem como as esperanças para o futuro. A escolha do nome Isaque (”ele sorri”) para o filho de Abraão e Sara deve ter causado uma variedade de sentimentos a cada vez que era pronunciado. Algumas vezes, deve tê-los feito lembrar do seu riso atônito quando Deus anunciou que teriam um filho em idade avançada. Em outros momentos, o nome deve ter trazido à memória os sentimentos de alegria ao receberem a tão esperada resposta às orações por um filho. Mais importante, era um testemunho do poder de Deus em tornar em realidade a sua promessa.

Em uma família de vigorosos desbravadores, Isaque era do tipo quieto, que se importava mais com seus próprios negócios, a menos que recebesse um chamado específico para agir. Ele foi o filho único protegido desde que Sara livrou-se de Ismael e até que Abraão arranjasse seu casamento com Rebeca.

Em sua própria família, Isaque ocupava a posição patriarcal, mas Rebeca tinha o poder. Ao invés de ser firme, Isaque achava mais fácil mentir ou condescender a fim de evitar confrontos. Apesar desses defeitos, Isaque fazia parte dos planos de Deus. O exemplo que recebera de seu pai incluía uma grande fé no único Deus verdadeiro. A promessa de Deus, de criar uma grande nação através da qual Ele abençoaria o mundo, foi passada de Isaque para seus filhos gêmeos.

Não é raro nos identificarmos com Isaque em suas fraquezas. Mas considere um instante: Deus trabalha através das pessoas a despeito de suas falhas. Ao orar, fale com Deus que você está disponível para ser usado por Ele. Você descobrirá que a disposição de Deus em usá-lo é ainda maior que o seu desejo de ser usado.

Pontos fortes e êxitos:

  • Nasceu miraculosamente da união de Abraão e Sara, quando estes tinham 100 e 90 anos respectivamente.
  • Foi o primeiro descendente no cumprimento da promessa de Deus a Abraão.
  • Parece ter sido um marido cuidadoso e consistente, pelo menos até o nascimento de seus filhos.
  • Demonstrou grande paciência.
Fraquezas e erros:

  • Costumava mentir quando era pressionado.
  • Praticou o favoritismo entre os filhos e alienou a esposa.
Lições de vida:

  • A paciência sempre produz recompensas.
  • As promessas e os planos de Deus são maiores que os das pessoas.
  • Deus cumpre suas promessas! Ele permanece fiel embora nossa fé seja pequena.
  • Exercer favoritismo certamente produz conflitos familiares.
Informações essenciais:

  • Locais: Vários lugares ao sul da Palestina, incluindo Berseba (Gn 26.23).
  • Ocupação: Rico criador de gado.
  • Familiares: Pais – Abraão e Sara; meio-irmão – Ismael; esposa – Rebeca; filhos – Jacó e Esaú.
Versículo-chave:

“E disse Deus: Na verdade, Sara, tua mulher, te dará um filho, e chamarás o seu nome Isaque; e com ele estabelecerei o meu concerto, por concerto perpétuo para a sua semente depois dele” (Gn 17.19).

A história de Isaque pode ser encontrada em Gênesis 17.15-35.29. Ele também é mencionado em Romanos 9.7-10; Hebreus 11.17-20 e Tiago 2.21.













Jacó


Abraão, Isaque e Jacó estão entre as pessoas mais importantes do Antigo Testamento. É preciso notar que esta importância não esta baseada no caráter pessoal de cada um deles, mas no caráter de Deus. Estes homens conquistaram grande respeito e até mesmo temor de seus conhecidos. Eram ricos e poderosos, e, contudo, egoístas, capazes de mentir e enganar. Não se tratava de heróis perfeitos, como podíamos esperar; ao contrario, eram pessoas como nós, tentando agradar a Deus mas sempre tropeçando.

Jacó era o terceiro elo no plano de Deus para iniciar uma nação descendente de Abraão. O sucesso deste plano se deu mais “apesar de” do que “em razão da” vida de Jacó. Antes de Jacó nascer, Deus prometera que seu plano se desenvolveria através dele, e não de seu irmão gêmeo, Esaú. Embora os métodos de Jacó nem sempre fossem respeitáveis, suas habilidades, determinação e paciência tinham de ser reconhecidas. Ao acompanharmos sua vida desde o nascimento até a morte, vemos a mão de Deus trabalhando.

A vida de Jacó possui quatro estágios, cada qual marcado por um encontro pessoal com Deus. No primeiro estágio, Jacó corresponde à expectativa do seu nome, que significa “ele agarra o calcanhar” (de forma figurada “ele engana”). Ele agarrou o calcanhar de Esaú ao nascer e, quando fugiu de casa, também agarrou a bênção e a primogenitura do irmão. Durante sua fuga, Deus lhe apareceu no caminho, não apenas lhe confirmando a bênção, mas também despertando nele um conhecimento pessoal sobre si mesmo. No segundo estágio, Jacó experimentou a vida pelo outro ângulo ao ser manipulado e enganado por Labão. Então ocorre uma mudança curiosa: o Jacó do primeiro estágio teria simplesmente abandonado Labão, porém o Jacó do estágio dois, após ter decidido partir, aguardou seis anos pela permissão de Deus. No terceiro estágio, Jacó estava em um novo papel como agarrador. Desta vez, às margens do rio Jordão, ele agarrou-se com Deus e não queria deixá-lo partir. Ele percebeu sua dependência do Deus que continuara a abençoá-lo. Seu relacionamento com Deus tornou-se essencial para a sua vida, e seu nome foi mudado para Israel, que significa “ele luta com Deus”. O último estágio da vida de Jacó foi ser agarrado – Deus realmente o segurou. Ao responder o convite de José para ir ao Egito, Jacó demonstrou claramente não querer tomar nenhuma decisão sem a aprovação de Deus.

Você consegue lembrar-se de alguns momentos em que Deus se revelou a você? Você se permite encontrar a Deus enquanto estuda a sua Palavra? Que diferença essas experiências têm feito em sua vida? Você é mais parecido com o jovem Jacó, forçando Deus a seguí-lo no deserto de seus próprios planos e enganos? Ou você é mais parecido com o velho Jacó, que apresentou seus desejos e planos a Deus, buscando sua aprovação antes de tomar qualquer atitude?

Pontos fortes e êxitos:

  • Pai das 12 tribos de Israel.
  • Terceiro na linhagem abraâmica do plano de Deus.
  • Determinado, era disposto a trabalhar muito pelo que desejava.
  • Bom homem de negócios.
Fraquezas e erros:

  • Ao enfrentar conflitos, confiava em seus próprios recursos ao invés de buscar ajuda em Deus.
  • Tendia a acumular riquezas para seu próprio bem.
Lições de vida:

  • A segurança não está no acúmulo de bens.
  • Todas as atitudes e intenções humanas – para o bem ou para o mal – são tecidas por Deus no decurso de seu plano.
Informações essenciais:

  • Local: Canaã.
  • Ocupações: Pastor e proprietário de gado.
  • Familiares: Pais – Isaque e Rebeca; irmão – Esaú; sogro – Labão; esposas – Raquel e Léia; doze filhos e uma filha são mencionados na Bíblia.
Versículo-chave:

“E eis que estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei tornar a esta terra, porque te não deixarei, até que te haja feito o que te tenho dito” (Gn 28.15)

A história de Jacó pode ser encontrada em Gênesis 25-50. Ele é também mencionado em Oséias 12.2-5; Mateus 1.2; 22.32; Atos 7.8-16; Romanos 9.11-13; Hebreus 11.9,20,21

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário